As Músicas do Velocia – Périplo

Velocia_Skank

A sétima análise entre As Músicas do Velocia é para a faixa “Périplo”, outra das canções do Velocia composta por Samuel Rosa e Nando Reis A fã paulista Helena Leite se propôs a desvendar os segredos por traz da canção. Confira abaixo a análise da moça.

“Meus olhos Périplo desejam alcançar / seus olhos perdem luz na imensidão do mar”.  Assim começa essa canção linda e muito confusa escrita pelo querido Nando Reis, foi a primeira música que amei do disco Velocia. Sabe quando você compra um CD e vai passando de música em música e aí para naquela que chama sua atenção? Então, isso aconteceu comigo, amei Périplo assim que ouvi, mas confesso que não compreendi muito a letra, rsrs.

Pesquisei o que quer dizer a palavra Périplo e o que achei (na Wikipédia) foi que essa palavra significa que, na época dos gregos e romanos, “Périplo” era um documento que indicava o que o capitão de uma embarcação poderia encontrar ao longa de região costeira. Agora, na boa o que isso tem a ver com a música? Na boa gente, não sei, pelo pouco que entendi nosso querido Samuel canta as aventuras de alguém que vai, vem, vai, vem e não sabe muito bem para onde ir, uma pessoa sem direção, onde o destino é o que menos importa.

Deveria ter tomado um tiquinho do chá que o Nando tomou, para tentar entender essa viagem que ele fez.

Mesmo sem entender muito, Périplo continua sendo minha música favorita do Velocia, pois na música mais que entender o mais importante é sentir com a alma e isso eu fiz bem!

Périplo

Meus olhos, périplo
Desejam alcançar
Seus olhos perdem luz
Na imensidão do mar

Eles fogem longe, implodem em mim
Explodem hoje, escorrem
Eles podem ir onde somem, sim
Se mordem, escondem, correm

Meus olhos pedem-nos
A rendição fugaz
Seus olhos ferem cruz
Na dentição voraz

Eles fogem longe, implodem em mim
Explodem hoje, escorrem
Eles podem ir onde somem, sim
Se mordem, escondem, correm

Sem jamais
Ter hora e entra agora, dentro, embora
Queira mais
Melhora apenas quando chega logo aqui

Seus olhos prego em cruz
O meu prazer brutal
Meus olhos querem-nos
Na perdição vulgar

Eles fogem longe, implodem em mim
Explodem hoje, escorrem
Eles podem ir onde somem, sim
Se mordem, escondem, correm

Sem jamais
Ter hora e entra agora, dentro, embora
Queira mais
Melhora apenas quando chega logo aqui

Sem jamais
Ter hora e entra agora, dentro, embora
Queira mais
Melhora apenas quando chega logo aqui

Abraços e beijos,

Equipe Skankarados

Outubro 6, 2014

Etiquetas:, ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *